quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Casa Limpa

ventos

Hoje a poesia tomou conta de mim,

Lavou minhas roupas sujas de adjetivos ruins,

Poliu o candelabro de querubim,

fez um jantar de verbos, conjugou o amor…

Hoje a poesia lavou os lençóis,

que sujos estavam de pó,

pois eu já não dormia…

Triste por viver só.

Hoje a poesia limpou os armários da memória,

varreu de meu peito as folhas secas

que caíram, no outono, de meu coração…

Depois tanta desilusão, e tão pouco glória.

Hoje, somente hoje, não amarei ninguém,

pois a poesia limpou meu coração,

lavando todo vestígio de sentimentos,

Para que eu possa começar um novo ano…

“Com a Casa Limpa!”

Mando Mago Poeta 21:53 30/12/2009

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Velho poeta triste

Minhas insensatas noites
meus pensamentos retos
meus dias incertos...

Minhas idéias concretas
meus sonhos solitários
minhas noites de insônia...

Minha voz baixa
meu coração que grita
minha mão que escreve...

Minhas mãos que acariciam
meu corpo que arde
meus pés que fogem de ti...

Minhas rugas do cansaço
meus cabelos grisalhos
meus músculos flácidos da desilusão!

Meus sorriso incompleto
meus óculos da razão
meus dias, mortos se vão.

Mando Mago Poeta 22:32 28/12/2009

domingo, 27 de dezembro de 2009

O Mago Poeta

 catseye_chandra_big_cats-eye-nebula_close

Há um límpido luar,
uma névoa pairando sobre o chão. 
E eu aqui, implacavelmente quieto
enquanto o lobo uiva no horizonte...

Cada estrela parece flutuar
bem perto de mim,
sinto que quase as posso tocar
se erguer meu braço um pouquinho...

Um misto de medo e admiração
toma conta de mim
enquanto a escuridão beija a tênue
e sutil luz da lua.

Já não sou só nessa paisagem
e acendo uma fogueira,
com galhos secos e pedras em volta,
enquanto canto baixinho...

Movimento meu cajado no ar
e raios coloridos circulam a fogueira
gerando um brilho diferente,
um arco-íris de energia.

Logo percebo movimentos a minha volta,
e, tranquilamente continuo meu ritual
observando as centelhas que sobem da fogueira,
lindos pingos alaranjados subindo ao céu
cortando o centro do arco-íris calmamente.

As cabaças do cajado agitam-se,
produzindo um chocalhar quase inaudível,
e as fitas reluzem coloridas e dançantes,
incitadas pelo ar quente e os movimentos suaves do cajado.

Nada me preocupa nesse momento.
Olhos atentos observam a cena,
quietos e curiosos,
animais circulam a minha volta
indulgentes...

É noite nas planícies estreladas
e a floresta tem suas portas abertas,
onde transitam os invisíveis
e atentos guardiões

e na cantoria sussurrada por mim,
meu espírito se eleva acima do corpo físico,
minha pele eriçada recebe jatos de energias,
que irradiam como descargas elétricas,
produzindo micro-movimentos
celulares num ritmo próprio.

Acima do círculo mágico,
cada fagulha que toca o centro
do vórtex energético colorido
torna-se branco-azulada
e dissipa-se em seguida,
deixando um cheiro de jasmim no ar...

E, quando o fogo cessa,
o Astro Rei já abraçou o horizonte,
tornando-me duplamente energizado
e levando consigo os olhos curiosos
que logo retornam aos seus afazeres
no âmago da floresta.

E em cada momento como este
na meditação, na viajem...
retorno ao meu mundo mais feliz,
repleto de conhecimentos
que só minha alma descreve.

Nas experiências do planeta Terra,
que me traduzem as almas humanas
que a noite dormem tranquilas,
enquanto eu as visito em pensamento…

Para no dia seguinte escrever
o que seus corações gritam no infinito, 
em versos dispersos no ar,
que somente o poeta, em suas viagens pode ouvir...
e na sua magia, interpretar os sentimento humanos,
para sua poesia mágica criar...

Mando Mago Poeta 21:44 27/12/2009

sábado, 26 de dezembro de 2009

A vida

 viver

Ao longo dos anos eu aprendi
que a vida é cheia de surpresas
por que andamos distraídos...

A vida tem momentos de dor,
Por que somos sensíveis.

A vida nos traz amores,
por que temos um coração
pulsando no peito.
Nos dá a tristeza,
porque esquecemos de sorrir...

Nos faz cruzar caminhos escuros,
para que possamos aprender a brilhar!
Faz-nos sofrer injúria,
para aprendermos a perdoar...
A vida traz a solidão,
porque nos isolamos, com medo um do outro...

A vida é assim, cheia de aprendizados...
Aprendemos a dizer não,
quando queremos dizer sim,
ir embora quando  queremos ficar...
A vida nos faz sangrar,
para que possamos ver a cor,
dos olhos de quem chora,
da paixão, do amor... do fluído que nos mantém vivos!

Ahh! A vida é cheia de luz,
que reflete nas estrelas,
na Lua...
Luz que as pessoas nos trazem,
na palma da mão amiga que consola,
no abraço fraterno...

A vida é um mistério,
porque somos eternas crianças,
na eterna escola do Criador!
A vida é complicada,
porque acostumamos a ver
primeiro o lado negativo das coisas!

A vida é tão difícil!
então, porque ninguém quer morrer?
A vida é tão simples...
Mas o ser "humano" é um complexo,
tão difícil de entender...

Mando Mago Poeta 17:34 26/12/2009

Aos meus pais

Em cada passo dado nessa vida, desde o primeiro que tentamos,

há a mão amparadora cheia de amor, que nos dá forças e coragem.

Cada som, cada palavra que aprendemos nos transporta ao infinito de possibilidades…

A todo momento nos alimentamos dessa energia que nossos pais nos passam a cada dia,

certos que venceremos qualquer desafio em sua companhia.

Crescemos, e as vezes achamos que somos auto-suficientes,

e largamos as mãos que nos ampararam com desvelo.

Até que o Mundo nos abate, e, novamente somos amparados

pelas mãos sábias de Deus, que se manifesta no amor de Pai e Mãe…

E nas conquistas e glórias, são os primeiros a sorrirem e chorarem de emoção!

Que seria de nós, sem esse mar de amor, que nunca nos afoga, mas alimenta-nos de coragem.

Quem seríamos nós, se fôssemos abandonados e criados pelo “mundo”?

As vezes sinto que não há palavras que descrevam o amor, pois não somos capazes de

explicar esse sentimento em sua plenitude. Ainda que tentemos dizer obrigado, sempre será vago,

ainda que nos esforcemos para agradecer com gestos e carinho, somente conseguimos derramar

lágrimas de sentimentos que somente vocês entendem…

E em cada conquista, assinamos o livro da vida com nosso nome, que é composto

pelos seus… Cada vitória pertence e é fruto do amor que nos dedicam por toda nossa vida!

Mando Mago Poeta 15:36 26/12/2009

Fez e fazes

Fez de mim escravo,
acorrentou-me em seu corpo,
chicoteou minha razão,
aprisionou meu coração...

Fazes de mim seu servo,
embriaga-me com seu charme
insinua-se para mim
e depois me abandona...

Fez dos lençóis um mar de suor,
onde mergulhamos por instantes
em mágicos momentos de amor…
... E depois me deixou!

Faz de conta que não me quer,
me pega, me larga...
Empurra-me para longe,
mas quando estou partindo,
me laça em teus longos braços de amor!

Fez de mim escravo,
faz de mim um tolo
apaixonado e submisso
e esse jogo para mim... virou um vício!!

Mando Mago Poeta 14:27 26/12/2009

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Cidade caos

criancaderua

Há dias em que penso
que tudo será diferente
nenhuma criança na rua
nenhum mendigo, indigente...

Há dias que me são uma tortura
Andar sem segurança na rua escura
Com luzes opacas e fumaça narcótica
nas noites dessa cidade caótica...

Há dias que nem quero sair
fico sentado na varanda
olhando o Sol cair
e eu na mesma ciranda...

Há dias que parecem noite
jovens se drogando no portão
polícia buscando propina
os pensamentos viram açoite
esmagam meu coração
enquanto eu dobro a esquina!

Há dias que quero ser mais forte
para poder mudar o que me cabe
e amparar os que não tem sorte
ajudar mais-já que pouco fazemos-, quem sabe...

Mando Mago Poeta 21:46 7/12/2009

domingo, 6 de dezembro de 2009

Arrependimento

Arrependimento

Me nego em teu gemido,
despretensioso querer,
despeço-me no sentido,
de querer-te sem saber...

Rebelo-me ao teu charme,
afogo-me na paixão,
Desperto, e já é tarde,
deixaste-me no chão...

Acordo.. Um pesadelo,
Adormeço, sem razão,
só um fio de seu cabelo,
me sobra no colchão.

O vento vem chamar-me,
é noite fria indolor,
nada sinto em meu corpo,
já morri seu seu amor!

Mando Mago Poeta 19:04 6/12/2009

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

O amor que vem de ti

 

O amor que vem de ti
É um fogo azul
Um céu chuvoso,
uma tempestade quente!

O amor que vem de ti
é uma luz tão forte,
um abraço distante,
um imã gigante!

O amor que vem de ti, afaga...
acolhe e abate-me de mim,
É uma nuvem eletrificada
que atravessa-me com um raio!

O amor que vem de ti, domina...
é garras de onça pintada,
é teia de aço,
Uma correnteza de rio.

O amor que vem de ti voa,
leveza de penas no ar,
um riso que me faz sonhar,
É canto que o coração entoa.

O amor que vem de ti é lindo!
Tão sublime sentimento,
Mas, me traz um lamento...
por não poder aceitar.

Mando Mago Poeta 23:40 2/12/2009

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Perdido em seu olhar

10275azuis 

Já vi lindos olhos azuis,
vibrei com olhos mesclados,
pintadinhos e escuros...
Já maravilhei-me com olhos verdes,
claros, quase brancos...
Os olhos castanhos bem claros,
os pretos e gigantes.

Já vi olhos apaixonados,
chorosos e tristes,
felizes e raivosos...

Vi muitos olhos e olhares,
e nunca pude conhecer os seus,
pois que me olhas por um segundo,
e já me perdi em pensamentos...

Perco-me no infinito azul de seu olhar!

Mando Mago Poeta 20:59 30/11/2009

domingo, 29 de novembro de 2009

Em teu sorriso

24183

Em teu sorriso de menina,
vi surgir o infinito,
vaguei por longos caminhos,
sorri, chorei, amei!

Ahh! em teu sorriso, menina!
vultuoso sentimento,
longos poemas em pergaminhos,
Sorri, chorei, e eternamente...

esse amor escreverei!

Mando Mago Poeta 14:29 29/11/2009

Um Beijo Seu

olhos azuis

Mergulhei no mar de seus olhos
perdi-me entre os montes brancos de seu sorriso
e, como se visse o Sol se pondo sobre o mar
sua língua vi repousar...

Ah!Um beijo seu seria como abraçar
o Astro maior, com meu corpo
boiando na água do mar!

Mando Mago Poeta 09:42 29/11/2009

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Divino poema

Há um conjunto de belezas ao nosso redor,
um harmonioso retrato da perfeição,
um poema facetado, que nos dá algo maior...
"Milhares de possibilidades de interpretação!"

Eu sinto a Natureza como a mim mesmo,
refletida nas minhas retinas,
invertidas em meu globo,
solúveis em meu lacrimejar...

Sinto o vento me arrepiar,
O Sol a me aquecer a vontade,
a Lua a me hipnotizar,
O rio me inspirando saudade...

E, se escrevesse um só poema,
Morreria sem conseguir descrever,
Tão infinito é o poema do criador,
materializado no mundo,

Poema Celeste, sublime na alma humana!
Que tenta escrever poemas mais belos,
inspirados pelo sopro Divino,
que arrepia os sentidos do espírito...

Versemos infinitamente felizes,
tudo que pudermos sentir,
e, em nossas limitações humanas,
escrevamos o ínfimo da palavra de Deus

Tentando ser mais parecidos com Ele.

Mando Mago Poeta 20:57 25/11/2009

domingo, 22 de novembro de 2009

Sereia

sereia1

Sereia

Me empresta seu beijo
um momento só
Me acolhe em seus braços
de mim, tenha dó...

Sou teu menino poeta,
sentado na areia
fazendo poesia concreta
e sonhando com uma sereia...

vem, me empresta um carinho,
arranha-me de mansinho,
banha-me em tua saliva
e na água do mar... me realiza!

Mando Mago Poeta 15:09 22/11/2009

Teu corpo

decúbito dorsal
montanhas mais belas
jardim de meus sonhos

Mando Mago Poeta 14:46 22/11/2009

sábado, 21 de novembro de 2009

Você minha Poesia!

linda

Você, minha poesia !

A poesia que soa em mim
como uma voz suave e triste
de seus lábios rosados
ínfima e consoante
corrente que me aprisiona!

A poesia que declamastes
no silêncio de minhas carícias
e ficou escrita em meu corpo
nas marcas profundas de sua unhas!

A mesma poesia derramada
absorvida em meus poros
molhada melodia de gemidos
embebidos na saliva do prazer...

A poesia que soa alto
sino batendo forte e constante
e não deixa meu corpo dormir
pensando em você a todo instante!

Mando Mago Poeta 21:34 21/11/2009

Sol e Lua

sol-e-a-lua

Sol e Lua

Nas ruas escuras da negação
você entrou caminhando calmamente
seguiu sem olhar para trás
e esqueceu de quem te amou tão intensamente!

Nas avenidas claras e movimentadas
encontrou o que queria tanto
achou a companhia tumultuada
da chuva que afogou meu pranto!

E na correnteza fui navegar
sem destino, sem rumo certo
com os olhos cerrados
e coração deserto...

Místico e complexo
amor de Lua e Sol
distantes pela natureza
dormindo sob o mesmo lençol!

Mando Mago Poeta 21:19 21/11/2009

Alma do malandro

Malandro3

Alma do malandro

Que nas flores plantou semente,
nascido do vento cortante,
plácido e brilhante
corrompendo a carne e a mente.

Que nos autos criminais,
supriu-se de dor e lamento,
cuspiu fora seus ais,
sofreu por apenas um momento.

Que nas labaredas quentes,
morreu em meio aos gritos,
nasceu entre indigentes,
pútrido sentimento dos aflitos!

Que nas letras vomitou verdades,
que nas avenidas sangrou os pés,
sambando entre as adversidades,
fingindo ter os dois pés...

Que nas esquinas vendeu seu corpo,
que nas roças comeu capim,
nas boates bebeu veneno, porco!
babou sangue até o fim...

véspera de finados...
morre o homem sem verdades,
em meio ao samba, dançou...!
e renasceu para o infinito,
batendo tambor das almas,
perambulando nas cidades.

Mando Mago Poeta 20:25 21/11/2009

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Sem palavras

23112008(018)

Sem palavras

Ando com falta de palavras
ando procurando-as no asfalto quente
nas trilhas da mata
nas pontes e viadutos...

ando com falta de palavras
ando procurando-as nas flores
nas rosas do jardim alheio
nos antigos amores...

ando com falta de palavras
já procurei em todos os lugares
nas bocas enamoradas
nos becos, nas dores...

meus poemas sem palavras
hão de dizer nada!
calar-me na madrugada,
e emudecer-me a mente...

vou escrever sem palavras,
deixar meus sentimentos nos olhos,
inundar o papel com meus lamentos.
escrever com lágrimas!
pois não encontrei palavras...

Mando Mago Poeta 21:35 19/11/2009

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Amante da poesia

Em quantas palavras ocultas
no subjetivismo do poeta
encontras as respostas interiores?

Em quantos versos lidos
estrofes murmuradas,
a emoção aflora em você?

És leitor assíduo de palavras,
de contos e cantigas rimadas,
nas mais variadas formas
que a alma humana pode descrever...

Em quantas frases emocionadas,
cheias de lágrimas ocultas,
de suspiros naufragados
afogados em choro verdadeiro...
Você sentiu o coração palpitar?!

Segues o vento que não vês,
Cintilante alma poética,
estrela cadente das emoções,
no mundo do Poeta, vivente...

É nesse fulgor que verso
o mais íntimo de meu ser,
em magia pura da alma,
amor e emoção derramados no papel!

A você que encanta minha sensibilidade,
que me desperta no meio da noite,
que molha meu rosto, me abre um sorriso...
teu coração sensível, poético é meu papel.

Mando Mago Poeta 15:54 17/11/2009

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Hipocrisia!

Hipocrisia!

acho um buraquinho no asfalto
planto uma semente
e, quando viro as costas,
já me chamam de demente!

Ando descalço no cimento
corro brincando no mato
e, quando percebo,
sou julgado no ato.

Sorrio á um mendigo na rua,
abraço um estranho, apertado,
e, quando estou longe,
dizem que sou viado!

Beijo uma amiga no rosto,
chamo-a de querida, ou amor...
e, quando já fui embora,
chamam-me de paquerador

Escrevo tudo que sinto,
descrevo o dito e o não dito,
e, quando estou dormindo,
me chamam de maldito!

Nesse mundo de hipocrisia,
Planto minha semente de verdade,
aqueles que me forem sinceros,
serão meus amados para a posteridade!

Mando Mago Poeta 21:44 16/11/2009

sábado, 14 de novembro de 2009

Pensamentos voando…

Gostaria muito que a rosa
fosse realmente rosa
não fosse vermelha
e fosse mais prosa...

Mando Mago Poeta 19:57 14/11/2009

faltou-me o vinho
na mesa vazia
faltou-me você
pra me trazer alegria
Mando Mago Poeta 20:08 14/11/2009

Já me esquecestes?
Menti antes de partir...
Ainda a amo como sempre,
só esqueci de não ir.

Mando Mago Poeta 20:52 14/11/2009

Nada apaga as pegadas,
que você deixou no meu quintal,
ainda sigo seus passos até o portão,
e vivencio a despedida molhada
em lágrimas de solidão!

Mando Mago Poeta 20:57 14/11/2009

Segue minha carta de despedida,
escrita em lágrimas
com palavras, antes não ditas...

Segue minhas palavras sem cor,
meus sentimentos chorados,
meus dias inacabados
em infinitas horas de dor!

Segue minha despedida,
minha última lembrança,
pois Minh 'alma comedida,
já não tem esperança...

Segue meu último suspiro,
morri em plena vida,
despeço-me de ti
com minha alma aturdida...

Segue meu pesar,
meu simples adeus,
um não ser que já foi
um amor que morreu!

Mando Mago Poeta 21:13 14/11/2009

poesia

Que seria de nós sem a poesia...
Seriamos versos desencontrados,
sonetos sem harmonia,
rimando uma vida sem graça...

Sem sonhos, sem nostalgia.

Mando Mago Poeta 20:02 14/11/2009

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Como te quero!

Eu te quero
Como a chuva quer a terra do sertão,

Como a rosa quer o botão

Como a abelha quer o mel…

Eu te quero como o Sol quer a lua

Divina presença inspiradora

Que toma a alma do poeta

Com a imagem tua!

Eu te quero como o pássaro quer o céu

Como a lava quer o vulcão!

Te quero quente nesse véu,

Vestida de pura paixão…

Eu te quero como brasas,

Queimando-me e acendendo,

O fogo de meu coração,

Te quero, com o corpo ardendo,

E não controlo essa emoção!

Mando Mago Poeta 00:10 10/11/2009

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Meus dias

Meus dias

Meus dias passaram sem pressa,
-A dor sempre demora...
Minhas noites sem dormir,
Minhas tardes de sonolência...
-Disso, a consequência.

Minha mãe deixou-me jovem,
-Lembro de meu sofrimento, um vulto.
na transição de um adulto,
Sem nenhuma experiência...
-Contei com amigos, benevolência.

Fugi de mim mesmo por um tempo,
-Quando falta coragem e companhia...
Caí num sono profundo,
Faltou-me a sapiência,
-A vida me deu uma advertência!

Quando tentei não viver,
-Que é o mesmo que morrer...
O Criador me deu uma imagem,
uma certa clarividência,
Renasci mais forte... Deus me deu uma audiência!

Uma nova oportunidade de sobrevivência.

Mando Mago Poeta 23:15 9/11/2009

sábado, 7 de novembro de 2009

Um poeta em sua vida.

Para entender o poeta
nada há que fazer
basta amar sem ter medo
e a Natureza agradecer...

Para entender o poeta
há que ter precaução
Coração de poeta é frágil
e se quebra sem cair no chão.

Para amar um poeta
basta ser quem se é,
Não se vestir de falsidades
fingimentos são vestes transparentes!

Para ter o amor de um poeta,
basta saber deslumbrar
o céu e a lua cheia
mergulhar em sonhos no rio manso
despir-se na areia do mar
e mergulhar nas boas lembranças...

Pode ainda se encantar
nas matas verdes, passear,
enxergar o lado belo das coisas
das dores fazer poemas
dos amores, dilemas,
e, enfim, saber que toda poesia,
é um amor declarado...

Para ter um poeta em sua vida,
Seja um ser apaixonado
tenha prosa, mas cite versos,
tenha amor, mas não se cale!

O poeta é inimigo do "não dizer"
é escravo das palavras,
mesmo que não se possa entender...
Em simbolismo, abstrato, surreal,
poeta descreve de tudo, o sentimento fundamental!

É tão complexo e simplificado,
amor de poeta é intensidade,
é tão real que impressiona,
tão forte, que aprisiona,
Para amar o poeta, tenha cautela...

Pode ser que nunca você entenda,
o seu real significado desse amor
em sua vida!

Mando Mago Poeta 10:36 7/11/2009

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Querência


Não saberia onde morar
se me perdesse nessa inocência
Na metrópole engarrafada
Louca São Paulo, minha querência
Síndrome da velocidade
multidões nos trilhos frios
no colorido desta cidade
 

Mando Mago Poeta 23:39 5/11/2009

http://www.poetasdelmundo.com/verInfo_america.asp?ID=5502

Pensamentos

pensamentos

Disperso e sem sentido
nos preâmbulos acanhados
descritivo de meus dias

Nos campos alagados
onde a chuva plantou
as raízes de meu não-ser

Surreal ou abstrato
complexo, meditativo
simples substrato
inexplicavelmente!

Cores em escala de cinza
pretos de várias cores
pincéis de pelos claros
telas de pano escuro

inexorável pintor
na aquarela do lamento
óleos multicor
inspiração sem momento!

O verbo pintado
livre de ser julgado
não me defina!
Sou um ser indecifrável...

Mando Mago Poeta 22:08 5/11/2009

Verdes Olhos

Quando mergulhei dentro de seus olhos,
as águas claras do mar molharam meu rosto,
Envolvendo-me num verde tão belo...
que naveguei em meus pensamentos.

Mando Mago Poeta 21:48 5/11/2009

domingo, 1 de novembro de 2009

'" Poetas del Mundo - a favor da vida contra as drogas!"'

Delasnieve Daspet convidou voc"e para o evento '" Poetas del Mundo - a favor da vida contra as drogas!"' em Delasnieve Daspet - Amigos e Poesia
 
Poetas de todos os Mundos:
Aqui esta uma causa nobre a ser acompanhada.
Caminhada no dia 8 de novembro, às 14 horas praia de Copacabana - "Poetas del Mundo a favor da vida contra as drogas"

" Poetas del Mundo - a favor da vida contra as drogas!" Horário: 8 novembro 2009 o dia inteiro
Local: praia de Copacabana
Organizado por: Poetas del Mundo - Delasnieve Daspet - João Carlos Luz e Luiz Fernando Prôa

Descrição do evento:


CAROS AMIGOS POETAS,


Aqui esta uma causa nobre a ser acompanhada.
Não por ser a familia de um poeta del mundo estar envolvida - mas, também, por isso.
Porque pode ser o filho de qualquer um de nós.
Qualquer um de nós pode atravessar um momento deste.

Peço a fineza de fazerem UMA FAIXA - ou CADA CÔNSUL FAZER A SUA - não é cara - e comparecerem no dia 8 de novembro, às 14 horas, para uma caminhada na praia de Copacabana - com slogams que marquem a posição de Poetas del Mundo - tipo:

" Poetas del Mundo - a favor da vida contra as drogas!"

Para quem não for do Rio de Janeiro - faça a sua manifestação em qualquer parte do país ou do mundo.
Posicione-se!

Delasnieve Daspet
Embaixadora para o Brasil e
Sub-Secretária para as Américas de Poetas del Mundo
Embaixadora Universal da Paz
http://www.poetasdelmundo.com/socios_america.asp
http://www.poetasdelmundo.com/verInfo_america.asp?ID=600


Ver mais detalhes e RSVP em Delasnieve Daspet - Amigos e Poesia:
http://delasnievedaspet.ning.com/events/event/show?id=2413837%3AEvent%3A42045&xgi=1HxOgXSm9fQhhH

sábado, 31 de outubro de 2009

Poema uivado

lobo

o corpo da palavra...
místico versado
cálice falado
pétalas  ao vento
a lua e o lobo

poema uivado...

Mando Mago Poeta 21:46 20/10/2009

Lobo alado

lobo2

Lobo alado

Vindo do infinito
caindo do espaço
um uivo
um grito

eu, lobo aflito
voando no céu
caindo, ao léu
sem lua, maldito...

um lobo alado
feroz, incontido,
do espaço, um grunhido
de amor, calado!

lobo despido,
de amor acometido,
de asas cortadas
sem rumo, perdido...

inflei meu pulmões
e não encontrei a lua,
desdenhei,
a estrela, na face tua...

lobo ferido, calado,
coração facetado
prisma de sentimentos
sem uivo, só lamentos!

Mando Mago Poeta 19:38 31/10/2009

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Sociedade- Me vem a mente.

Sociedade- Me vem a mente.

Me vem a mente
Um urro inocente
um corpo na rua
a verdade nua
no rosto da gente...

Me vem a mente
uns carros boiando
no túnel indulgente
inevitável, displicente...

inevitável coriza,
difícil certeza
fumaça no peito
falta clareza...

império decadente
disfarçado de gente
povo carente
mas, não tão inocente!

Voto no menos ladrão
voto no descrente
apertado no vagão
acorrentado sem corrente!

me vem a mente...
que sou brasileiro
sobrou-me infortúnio
faltou-me dinheiro!

Me vem a mente um não
que grudou na garganta
na fuligem da poluição
e na nuvem negra que levanta...

Me vem a mente, gritar
pular no rio de lixo
seria puro capricho
de um ser a divagar...

Me veio a mente falar
escrever o que já se cumpriu
para não ser profeta
e morrer poeta...

Para não morrer
cruz alienada da sociedade
que sabe morrer arrependido
por nunca, nada fazer!

Mando Mago Poeta 21:36 30/10/2009

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

criança no caminho

 o_menino_e_a_pipa_11

Gotinhas de chuva caindo
cada sorriso bem vindo
saltitante e feliz
menino sapeca aprendiz

correr solto no mato
jogar bola na rua
subir em árvores
comer os frutos no pé...

moleque levado da breca
não para nem um minuto
tagarela e brincalhão
feliz criança na vida

Calça curta, na canela
doce nos dentes sorrindo
pés sujos de barro
cabelos claros compridos...

criança deixada no caminho
ainda acena para mim
dizendo que ainda há tempo
de "verdadeiramente ser Feliz!!!"

Mando Mago Poeta 22:00 29/10/2009

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

O céu caiu

O céu caiu

O céu caiu na minha cabeça,
Estrelas espalharam-se pelo chão,
A lua cheia rolou ladeira a baixo,
e o Sol queimou o meu dedão!

As nuvens claras taparam-me a visão,
escorreguei na chuva delas,
Acordei todo molhado,
e pintei a Risada em duas aquarelas...

Mando Mago Poeta 22:23 28/10/2009

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Olhos azuis

Olhos azuis

Quando brilhou seu olhar no meu,
seus olhos azuis, tão claros,
me iluminaram  a esperança!

Fiquei dominado, preso em sua retina,
Um homem apaixonado,
Acorrentado aos seus olhos de menina.

Mando Mago Poeta 22:19 26/10/2009

domingo, 25 de outubro de 2009

Inspiração repentina!

Os versos escritos na retina
reflexo da alma que chora
história versada na alma.

Mando Mago Poeta 21:56 25/10/2009

Misturei-me ao vazio
caminho cheio de gente
vida vazia de mim

Mando Mago Poeta 21:58 25/10/2009

Vivi nas bordas da vida
chorei lágrimas secas
molhei-me no mar do deserto.

Mando Mago Poeta 21:59 25/10/2009

Minha falsa calma engana
Minha verdadeira alma escreve
Minha poesia se proclama.

Mando Mago Poeta 22:00 25/10/2009

Ganhei a força de sorrir
quando a dor me chega
e chorar quando ela se vai...

Alguns não entendem isso
Me acham feliz e pleno
Sou feliz com o que tenho,
Da vida tiro proveito
Não corro mais, não desdenho.

Sorri diante da dor
chorei quando devia chorar
escondido no meu recanto
escrevendo minha história
no arquipélago da memória.

Em cada ilha de aprendizado
cada sal, de lágrimas que secaram
na minha face rubra!
Cada dor que suprimi, para esconder,
As chagas de meu passado.

Hoje sou Mago e Poeta
Pretenso escritor de verdades,
que brilham nas retinas, nas telas,
em algumas almas mais belas,
que ainda ouvem meu canto...

enfim, sou pássaro sem asas,
escrevendo com a pena da alma,
as alegrias, amores,
pintando sem cores,
"A minha eterna e pretensa calma"
Escudo contra o veneno da sociedade!

Mando Mago Poeta 22:13 25/10/2009

Se o Mar que deixa criança,
Nas claras noites me alcança,
Vejo nele refletido,
a Mãe de minha esperança.

Se o rio, que me inspira em amor,
Encerra de mim toda dor,
Caindo em cascata trovejante,
É vida, ordem suprema de amar,
Em doses divinas e intensas.

Se nas Matas verdes e calmas,
cantam os pássaros de harmonia,
Nela recarrego minhas energias,
para vencer as batalhas.

Se nas árvores opulentas,
grandes seres de luz,
colhem seus artefatos,
nelas eu descanso, minha fé,
e me visto de Magia.

Mando Mago Poeta 22:23 25/10/2009

Enquanto os pássaros
cantam no floresta,
Eu, despido de meu corpo,
Canto na clareira,
o canto da alma,

um dia eles entenderão,
o meu triste canto...

Mando Mago Poeta 22:28 25/10/2009

Escorreguei na grama verdinha,
correndo na mata gigante,
voltei a ser criança,
"curumim, na aldeia Xavante!"

Mando Mago Poeta 22:29 25/10/2009
na esperança de alcançar,
o mesmo tom da Natureza... dos cantores

sábado, 24 de outubro de 2009

Nada triste

yara

Não quero nada triste!

Quero um sorriso sincero no rosto,
uma alegria serena, infantil...
Quero ser sempre criança,
nessa real imagem juvenil.

Quero a felicidade da alma,
os amigos a minha volta...
Quero a verdade mais clara,
numa eterna cantiga de roda.

Assim serei feliz para sempre,
nas fibras mais íntimas do ser,
recheado de amor fraternal...
nesse bolo delicioso que é a vida!

Vou me lambuzar de creme de amor,
empanturrar de recheio de amizade,
e me encher de chocolate de carinho,
para poder merecer esse presente divino!

Não quero nada triste! Só amizade sincera,
Vento forte do espírito de Deus,
que me enche de esperança...
e me faz persistir sempre no amor!

Mando Mago Poeta 14:05 24/10/2009

Quando acaba uma noite, começa outra...
Se o coração está vazio de amor.

Mando

Amar você

Amar você

É como seguir as nuvens no céu,
correr descalço na areia quente,
escrever um poema sobre religião...

Amar você é viver crucificado,
com uma caneta numa mão e um papel na outra!
É deitar no gelo ártico, completamente nu.

Amar você, só me traz tristeza e dor!
Mas é só o que sei fazer...
Mesmo que me faça sofrer.

Amar você, me faz dormir na banheira,
acordar no quarto chorando...
Me faz sair para o trabalho,
e chegar a lugar nenhum...

Amar você, é loucura sem limite!
É pimenta nos olhos...
É amar sem se amar.
Amar você é sofrer no paraíso.

Amar você não é amar,
é um pseudo viver...
um pesadelo...

Que não quero acordar!

Mando Mago Poeta 12:19 24/10/2009

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Queria

Queria

Como queria que fosse diferente.
Que seus olhos fixos no horizonte
penetrassem os meus...
Como fitam o Sol poente.

Como queria, que você fosse poeta,
e recitasse um poema em meu ouvido,
falando de seu amor infinito.

Como queria que sua poesia,
fosse minha cantiga de ninar,
e em seu colo eu dormisse tranquilo,
sem pensar em acordar.

Como queria, acordar ao seu lado,
sentindo seu cheiro no ar,
tomado de seus beijos, levantar,
e em seus abraços caminhar.

Como queria, ver brilhar seu sorriso,
bem perto de mim, brincando no mar...
E na areia escrever meu nome,
dizendo me amar.

Como queria, suas mãos suaves,
em meu rosto acariciando
e em devaneios vou caminhando,
enquanto me permito sonhar...

Como queria, seus lábios no meu,
um carinho por um instante,
como um dia me prometeu,
antes de partir...

Ah! Como queria, nessa vida encontrar,
um alento verdadeiro,
no momento derradeiro,
ser sua mão a me encorajar!

Como queria... minha doce ilusão,
Não ser poeta na alma,
e nunca mais sofrer por alguém,
que nunca existiu em meu coração!!

Mando Mago Poeta 12:33 23/10/2009

Árvore

Sou árvore

Sou árvore, enraizado na solidão,
árvore! no caos da poluição.
Sou árvore, de folhas esbranquiçadas,
árvore de frutos do coração...

Sou como a árvore da floresta,
embora viva na cidade,
com lágrimas de sereno,
e cimento nós pés... De saudade.

Árvore! Nascida da vontade perene,
suja de fumaça, verde por teimosia,
árvore de poucas palavras
Mas, ditas em poesia solene...

Sou a árvore que você poda de dia,
e resisto até a próxima chuva de verão,
Quando as lágrimas torrenciais,
em sua forte e única melodia,
Enchem-me de forças e amor no coração.

É meu tronco que agarras na dor,
Minha sombra que te alivia o calor,
mas, nas horas de inverno intenso,
seco sozinho na praça escura, triste, tenso!

Sou árvore, sim! Árvore do tempo.
A mesma árvore da montanha,
coberta de neve triste
tentando resistir ao vento,
e a dor que persiste...

...Sou árvore velha e cinza,
Preso no mesmo lamento,
Poeta de raízes profundas,
Aprendiz da Natureza...
Com galhos frágeis.

Com galhos que não alcançam o céu,
Preconizado, o desafio de viver,
com um coração feito a canivete,
e dois nomes...

" Que não são o meu e o seu!"

Mando Mago Poeta 10:52 23/10/2009

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Dueto

Em mim na cabe tanto amor
    Preciso de você para viver
Em cada verso que solto no ar
    Mais amor eu sinto em mim...
Sou a árvore, que nunca vai secar!
    Pois quem rega é meu coração!

Que não cansa de amar.

Mando e Ana

Quando crescer

Quando crescer

Quando crescer, quero ser poeta,
escrever minha vida em versos,
nas folhas verdes da primavera,
e nunca dizer algo em vão.

Quando crescer, quero ser poeta,
descrever meus sentimentos,
na dose certa de seu entendimento,
e, depois, sorrir por dentro.

Quando crescer quero ser poeta,
de pena na mão, escritor de sonhos...
Quero nadar no azul do céu,
e beijar as estrelas do mar,

E ao envelhecer, colher algodão,
nessa árvore sem espinhos,
que anda sem caminhos,
e pensa com o coração!

Quando crescer, quero desenhar letras,
nas cavernas de concreto armado,
nas paredes de meus sonhos,
e, quem sabe assim, ser amado!

Mando Mago Poeta 22:07 21/10/2009

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Cinzas do coração



É começo de noite na floresta,
Fogueira acesa iluminando rostos,
corpos quentes dançando ao redor...

É festa na aldeia tranquila,
nenhum animal está a espreita,
olhares brilhantes, cantam a vida...

Enquanto bebo na cuia sagrada,
adornada de pedras coloridas,
minha alma canta em língua nativa,
o canto mágico do amor...

É noite escura, lua minguante,
Em cada guerreiro ofegante,
na dança que lhes é de costume,
mostrando a força e destreza,
e o cuidado com a Natureza...

É dia na floresta tranquila,
as cinzas dispersas no chão,
meus olhos continuam abertos,
minha alma continua a cantar...

Se voltar agora para casa,
meu corpo vai acordar,
e minha alma, parar de cantar,
e voltar a ser fogueira apagada...
com as cinzas de meu coração.

Mando Mago Poeta 22:16 19/10/2009

domingo, 18 de outubro de 2009

Poeta da alma

Quando o azul gigantesco
caiu em minha cabeça
saltaram pequenas fagulhas...
estrelas voaram, cadentes!

Nuvens brancas em meus cabelos,
chuva fria em meus olhos,
trovões em minha garganta,
calaram a minha voz.

Raios neurônicos!
Ventos pulmonares!
E com a Lua nos olhos,
sonhei acordado...

Nesse cataclisma de emoções,
tsunami em minha alma,
verti amor por entre os dedos,
e acordei... "Poeta da alma!"

Mando Mago Poeta 21:37 18/10/2009
Publicado no Recanto das Letras
Cód.: T1874041

Para sempre querida

Cada lembrança mergulhada
numa gota de lágrima
é como uma faca afiada

Cada corte em sua descida
Me traz a dor da saudade
Desta doce criatura,
Tão amada e para sempre querida!

Mando Mago Poeta 21:16 18/10/2009

sábado, 17 de outubro de 2009

Homenagem à Marta Peres – Jornal O Rebate

Marta Peres

Esqueci de contar as estrelas do céu,
Fiquei parado no sereno,
enquanto a noite dormia,
e eu, sorria sem palavras...

Esqueci de te dar o anel,
levantei minha mão, pleno,
de um carinho que surgia,
de uma nova poesia... sem palavras.

Você ficou toda cheia,
A lua dos poetas do mundo,
Que joga Luz e poemas no mar,
e faz, maré alta dentro de nós!

Enquanto eu, esquecido,
fito o céu sorrindo,
poetas chamam seu nome,
que dentro de nós, será eterno!

Lua poética, no céu de nossos corações,
Tua poesia, mesclada de nossos sentimentos,
nossa poesia, mesclada de teu carinho,

Alcançam as estrelas mais distantes,
e de lá, só tem um "Ser Maior"
que pode guardar...

Meu carinho e respeito, verdadeiros a você, Marta Peres.
Obrigado!!!

Mando Mago Poeta 11:09 17/10/2009

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Transbordando

Transbordando

Se me ponho a escrever,
sinto que cada verso escorre pelo meu rosto,
quente e salgado...

E transbordo poesia,
Como se minha alma lacrimejasse, infinita,
enquanto emudeço...

Se me ponho a escrever,
derramo minha alma no papel,
e nunca fico vazio de mim.

Mando Mago Poeta 22:30 14/10/2009

Despedida

Despedida

E chegou você chorando,
despediu-se sem explicar,
deixou-me no caminho,
sem nada entender...

E partiu sem me dizer,
sem ouvir-me falar,
Calei-me na dor...

afoguei meu amor

Num rio que não chega ao mar!!!

Mando Mago Poeta 21:49 14/10/2009

Despedida

Despedida

E chegou você chorando,
despediu-se sem explicar,
deixou-me no caminho,
sem nada entender...

E partiu sem me dizer,
sem ouvir-me falar,
Calei-me na dor... afoguei meu amor!!!

Mando Mago Poeta 21:49 14/10/2009

Poeta Triste

Hoje acordei triste,
verti lágrimas sobre o papel,
molhei a alma que abriste,
no dia que a encontrei...

A dor de meu peito não passa,
minhas mãos, trêmulas estão,
Nada é luz em meu caminho...

Hoje acordei, sem querer...
Minha alma já não vive,
Queria apenas morrer
Antes de chorar de novo.

Hoje escreverei minha dor,
e sei que não será poesia,
Será apenas um borrão
num papel afogado em minhas lágrimas!

Mando Mago Poeta 21:44 14/10/2009

Ilusão

Ilusão II

Água de chuva
corpo molhado
véu do sepulcro
amor afogado

Sigo sozinho
pés descalços
na minha ilusão...

Mando Mago Poeta 21:30 14/10/2009

domingo, 11 de outubro de 2009

Réu

Enquanto percorria o deserto dos sentidos,
muitas tristezas me assolaram a alma,
Arrependimentos diversos, me tomaram a lucidez,
e a areia do desalento, cegou minha visão...

Percorri longa jornada sem rumo certo,
castigado pelos desejos insólitos,
mesclando-me ao sem cor do vazio areal
nas esperança de encontrar prazer...

O Sol, antes idolatrado, me castigava o corpo,
A Lua me congelava a alma!

Fiz-me réu de mim, julguei-me culpado,
E após chegar ao ao veredito,
olhei de revés no passado,
o quanto já havia sofrido.

Condenei-me a me perdoar para sempre,
Consertar os erros cometidos,
amando-me em primeiro lugar,
para ter algum amor sincero a doar.

Mando Mago Poeta 13:51 11/10/2009

Saudades

O vento que me trouxe seu perfume,
passou tão depressa nesse dia
que em um rápido instante,
pude sentir-te presente,

e já senti saudades...

Mando Mago Poeta 13:36 11/10/2009

Paixão

Ainda tenho a pele marcada,
o perfume de seu corpo em mim...
Ainda carrego a tatuagem
de suas unhas a me corromper a razão...

Numa loucura indizível de prazer,
Onde arrancastes minhas indecisões,
e lançara teu corpo no meu,
como a salvar-me da morte!

No final de uma noite extenuante,
deixei minha razão, caída sob seus lençóis,
E renasci um novo homem...
Com o corpo arranhado, e a alma polida!

Mando Mago Poeta 13:29 11/10/2009

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

O poeta e o rio

E no sereno, verti minha poesia,
Derramei-me por alguns momentos,
Enquanto o Rio, nas pedras rugia,
Saltavam espumas de lágrimas em mim...

A lua cheia me fitava,
Como quem observa atônita,
A dor do poeta, que gritava.

O vento balançava os galhos,
O Sol já se despedira,
e o poeta se enraizara,
na beira do rio, em frangalhos!

Quem o vira, nem notara,
Misturado às árvores do rio,
Com seus cabelos de folhas,
O poeta triste dormiu...

Suas poesias, água a baixo,
na correnteza foram levadas,
banhando outras margens,
nutrindo a terra versejada...

Hoje, parte da floresta,
pisa suas raízes na lama,
Chora a alma, que clama,
enquanto o rio canta seus versos!

Mando Mago Poeta 21:27 7/10/2009

domingo, 4 de outubro de 2009

O rio

O Rio

É encanto do rio, as espumas,
que nas pedras saltam felizes,
Encanto que passeia em Minh 'alma,
em uma correnteza de luz...

Em que levas minha poesia,
Meu poema sentido e faceiro,
Nos pés dos pássaros enroscando,
dos galhos levando sementes...

É encanto e magia,
da vida que há em mim...
é o gesto divino passeando
no meu ser, em forma de poesia...

Lavando minhas memórias,
semeando meus desejos,
nos recônditos dos sentidos,
se me lembro, são lampejos...

O mesmo rio que brota em mim,
como lágrima feliz,
derramam-se em cascata,
nos meus sonhos de criança,

Carrega minha mais profunda emoção!

Mando Mago Poeta 17:15 4/10/2009

Dor!

Dor!

Enquanto o vento frio me assola a alma,
as janelas dançam frenéticas a bater,
Em meus tremores sem controle, levanto,
e ouço sinos do entardecer...

Dados momentos são retóricos,
Dilaceram as palavras do espírito,
e falam longamente ao corpo,
em forma de dor e lamento!

A dor é aliada da mente e do corpo,
que grita por socorro, veementemente...

Enquanto a dor me corrompe a razão,
meus olhos secos, ardem na solidão,
minhas palavras caíram ao chão,
por não terem forças... por coerção!

Minha face é só dor, e em meus sentidos,
desejo, por um momento, não sentir...
E na minha existência, desejo não existir!
Quisera se feito de aço, mas sou apenas,

aquele que comunga, com a hóstia do lamento!
Na dor, no esquecimento!

Mando Mago Poeta 21:39 29/9/2009
Publicado no Recanto das Letras
Cód. T1842953

Dor

O papel que sangra
A alma que chora
Vento frio

E eu,
na curva do rio...

Mando Mago Poeta 13:11 4/10/2009

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Já não me encanto
fico num canto
por enquanto...

Já vi meu pranto,
rolar no rosto
já sem encanto
triste manto!


Mando Mago Poeta
30/09/2009

As metáforas da primavera

A terra dormia
A serpente olhava
Enquanto a coruja caçava...

A águia rondava
a florada e os campos
e eu, aos prantos...

As rosas brilhavam
encanto colorido
Enquanto meu amor, era doído...

As folhas nasciam de novo,
para sombra me acalentar,
no intenso Sol, de meu penar...

No céu, as estrelas frias,
belos olhos de Marias,
amores e maresias
no mar de poesias...

Encanto da serpente,
donzela dormia
hipnotizava...
corrompia a mente,

Essa é a função da serpente!
Uma primavera sem sentido,
com inverno gelado,
no meu coração quente!


Mando Mago Poeta 21:08 30/9/2009

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Olhos

Menina dos olhos

Olhos da menina

Poesia nos olhos

olhos do poeta…

Mando Mago Poeta

01/09/2009



Coração de papel

Se meu coração fosse de papel
seria um livro de poemas e poesias,
Com milhares de páginas rasgadas,
divididas em estrofes...

Se meu coração fosse este livro,
talvez a capa não agradasse,
Mas todos os poemas seriam de amor...
E sonetos correriam em minhas veias.

Em cada sílaba, métrica e rima,
Em cada tempo, cada pausa,
Seu nome estaria implícito...



Mando Mago Poeta 22:28 1/9/2009

sábado, 22 de agosto de 2009

Rabiscos, haikais, sonhos demais...

I

Neste canto

Divago...
Encanto!

II

Valsa da vida
Chão de pedra
Danço todo dia!

III

Coração tem dois lados
Embora dividido
Ambos apaixonados...

IV

Fiz um poema
Atrevo-me a escrever
Sem nehum esquema.

V

Guardo-me tanto!
Ainda poderei
Nessa gaveta me achar?

VI

Escrevo, descrevo,
nesse sonho
nenhum beijo...

Mando Mago Poeta 23:24 22/8/2009

domingo, 16 de agosto de 2009


substrato

Se o vento levar minha alma,
soprando forte a indiferença,
resta-me um sopro suave,
na miragem de tua presença...

Se me abastar de desejos,
insaciados sonhos juvenís,
Exumado estarei na tua presença,
Despido de mim, em sorrisos infantís.

Sem simbolismo complicado,
realismo dividido,
da realidade surreal,
Nessa vida abstrata...

onde sou apaixonado,
trovador do abstrato,
de verso e prosa, enamorado,
do ser, o simples substrato...

(assim me tens, assim teria.)


Mando Mago Poeta 23:46 14/8/2009

RAIOS POÉTICOS


Ráios poéticos (divagação)

Misturado ao cinza-chumbo-celeste
Vigiado pelas núvens de fumaça,
está nítido o raio fulgurante
entranhado na alma terráquea,
em ponto de ebulição...

Enquanto seu calor aumenta,
Seus raios alcançam novas fronteiras,
olhos cismados o acompanham,
ora invejosos, ora medrosos...

Sol da alma poética,
Luz da sabedoria essencial...
Os raios inspiradores do Astro,
Fulguram graciosos na alma do poeta,
Queimam sua face, na mais profunda emoção,
Na comoção de seus dias, cinzento-azulados!

Alma de poeta não chora!
Chove emoção...
Não entristece,
Nubla-se, inventando verbos!
Não cai,
Pousa serena ou abruptamente,
nos corações sensíveis!

Se seus raios queimam a razão alheia,
é por que carrega o calor da alma,
que absorve de todos, todas as emoções,
que um ser "humano", pode sentir!!!


Mando Mago Poeta 21:44 11/8/2009

sábado, 8 de agosto de 2009

Pai

Quando eu sonhei em ser pai
sentia falta do meu.
Nas lembranças que não tenho,
nos dias infantis, brincando só,
nas trajédias familiares...

Queria ser Pai e mudar algo,
ser o pai que não conhecia,
ter alguém que me amasse.

Reticencioso... não conversava.
Timido, isolado...
Cresci com meus devaneios juvenís,
de construir uma familia feliz.

Já não sei o que buscava,
se eram traumas disfarçados,
ou a coragem de reconciliar
com o Pai que já tinha...

Nada mudou nos anos seguintes,
partiu meu Pai desse mundo,
com um abraço tímido, quase sem querer...
partiu a minha chance, de recomeçar!

E hoje, como Pai, já não sei reviver,
os sentimentos que temia,
os motivos dele, ou os meus,
Resta apenas uma dor...

De ver uma criatura herdeira de meu sangue,
Voltar-se em revolta, secando minhas lágrimas,
com o pano de chão, como se lágrimas de amor,
fossem ácidas e sujas, águas tirânicas... Salgadas.

Que eu seria Pai, eu sabia...
só não sabia que o amor dedicado,
seria o próprio culpado,
de mais dor e solidão,
"banhado na ingratidão" ...

Sou pai, em fim... e confesso que amo demais.
Sou um pai, que cultivou a utopia, de ter uma familia feliz...
e esbarrou na dura realidade, que os filhos são seres
individuais (e muitas vezes, individualistas.) e únicos.

Pena, os valores morais foram esquecidos...
perdidos no tempo. Deixo minhas lágrimas cairem,
quando lembro, que podia "cair o céu", que ainda amava
e respeitava meus pais...
Hoje, os jovens não sabem o que é amar, apenas soletram,
as palavras que "decoraram" na infância!


Mando Mago Poeta
8 de Agosto de 2009

quinta-feira, 26 de março de 2009

Morte do poeta

Deixo em minha gaveta, o aromatizante,
Deixo na parede da sala, meu quadro predileto,
também deixo um suvenir na estante,
onde meu olhar procurou o seu, discreto.

Fica no quintal aquela planta,
ela gosta de viver lá, não a mude.
Na varanda, o giral que encanta,
espero que das orquídeas você cuide...

Deixo na árvore da calçada,
nosso nome escrito em um coração,
no baixo-relevo da separação,
onde minha alma foi enterrada.

Deixo, enfim, meu último lamento,
guardado na escrivaninha,
onde escrevi poemas com sentimento
e que eram tudo que eu tinha,

tudo que deixo nesse meu testamento.

Mando Mago Poeta 20:53 26/3/2009

sábado, 21 de março de 2009


Distraída

Assim como os ventos da primavera
passei por sua janela a tarde
Assobiei nas frestas a te chamar,
lancei folhas no teu quintal...

Em vão balancei os galhos,
que tentavam alcançar teus cabelos,
fiz rodopiar o bilhete de amor,
que por ti passou despercebido...

Soprei as núvens dispersas,
formando imagens insinuantes,
Lancei longe, seu chapéu...
na esperança de te despertar.

Letreiros do comércio balancei
até apagar as letras certas,
Formando minha mensagem de amor,
E você saiu, voltou,
Caminhou o dia inteiro...

Chorando por quem não te ama,
Desiludida e solitária,
sem saber de quem tanto te amou.


Mando Mago Poeta 13:24 21/3/2009

sábado, 14 de março de 2009


Alma

Alma é uma centelha do "divino"
é clareira da mata,
a nascente do rio,
o cilclo da água.

A alma é identidade espiritual,
universo contido em outro,
regência do corpo material,
é excência da individualidade, imortal.

Alma é o "Ser" que vem de Deus,
Sem defeitos e egos...
é o centro do pentagrama humano,
a visão dos cegos...

Ela tudo vê claramente,
sente, mas não se ressente,
ama, mas não se apossa...
é o evoluir crescente.

alma é o "tudo", dentro do nada,
o sêr perfeito, o perfeito do ser...
A alma é você, eu, a humanidade,
não é o corpo material...

Quando disseres "Eu sou", lembre-se de olhar
para dentro de si, sem ver a sua cobertura,
o corpo é a casca da nóz, dura proteção...
mas que carrega dentro, o verdadeiro fruto da divina criação


Mando Mago Poeta 22:46 13/3/2009