quarta-feira, 7 de outubro de 2009

O poeta e o rio

E no sereno, verti minha poesia,
Derramei-me por alguns momentos,
Enquanto o Rio, nas pedras rugia,
Saltavam espumas de lágrimas em mim...

A lua cheia me fitava,
Como quem observa atônita,
A dor do poeta, que gritava.

O vento balançava os galhos,
O Sol já se despedira,
e o poeta se enraizara,
na beira do rio, em frangalhos!

Quem o vira, nem notara,
Misturado às árvores do rio,
Com seus cabelos de folhas,
O poeta triste dormiu...

Suas poesias, água a baixo,
na correnteza foram levadas,
banhando outras margens,
nutrindo a terra versejada...

Hoje, parte da floresta,
pisa suas raízes na lama,
Chora a alma, que clama,
enquanto o rio canta seus versos!

Mando Mago Poeta 21:27 7/10/2009