domingo, 4 de outubro de 2009

Dor!

Dor!

Enquanto o vento frio me assola a alma,
as janelas dançam frenéticas a bater,
Em meus tremores sem controle, levanto,
e ouço sinos do entardecer...

Dados momentos são retóricos,
Dilaceram as palavras do espírito,
e falam longamente ao corpo,
em forma de dor e lamento!

A dor é aliada da mente e do corpo,
que grita por socorro, veementemente...

Enquanto a dor me corrompe a razão,
meus olhos secos, ardem na solidão,
minhas palavras caíram ao chão,
por não terem forças... por coerção!

Minha face é só dor, e em meus sentidos,
desejo, por um momento, não sentir...
E na minha existência, desejo não existir!
Quisera se feito de aço, mas sou apenas,

aquele que comunga, com a hóstia do lamento!
Na dor, no esquecimento!

Mando Mago Poeta 21:39 29/9/2009
Publicado no Recanto das Letras
Cód. T1842953