segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Meus dias

Meus dias

Meus dias passaram sem pressa,
-A dor sempre demora...
Minhas noites sem dormir,
Minhas tardes de sonolência...
-Disso, a consequência.

Minha mãe deixou-me jovem,
-Lembro de meu sofrimento, um vulto.
na transição de um adulto,
Sem nenhuma experiência...
-Contei com amigos, benevolência.

Fugi de mim mesmo por um tempo,
-Quando falta coragem e companhia...
Caí num sono profundo,
Faltou-me a sapiência,
-A vida me deu uma advertência!

Quando tentei não viver,
-Que é o mesmo que morrer...
O Criador me deu uma imagem,
uma certa clarividência,
Renasci mais forte... Deus me deu uma audiência!

Uma nova oportunidade de sobrevivência.

Mando Mago Poeta 23:15 9/11/2009