quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Despedida

Despedida

Ouço seus passos na varanda
é noite de Lua cheia
sem sono, não desfiz a cama
sentei na sala vazia
a observar o céu...

Vi-te como sombra sob a luz do luar
em passos indecisos e lentos
caminhando sem nunca chegar...

Seu contorno iluminado e inquieto
debruçou-se na tristeza
e sua infinita beleza
se pôs a chorar.

Seus soluços eram de despedida
e seus passos ainda indecisos
iriam, de rumo mudar
Seguiu calada até a estante
escreveu um bilhete, relutante
fez gesto de solenidade
e pela porta se foi devagar...

Indecisa, não fez as malas
levaste apenas as lágrimas
e o tesouro que havia no peito
cheio de melancolia e dor!

Fiquei parado na sala
na sombra da escrivaninha
vendo você partir... inocente
com meu peito doente a chorar

Foi-se de minha vida
do mesmo modo que veio
e eu a deixei partir
com a alma partida
querendo seu amor implorar!

Adeus, silencioso e doído
partiu no silêncio da noite
sem me deixar declarar
" Meu amor ainda é forte para perdoar..."


Mando Mago Poeta 20:07 12/4/2012