terça-feira, 12 de janeiro de 2010

As vezes

estrela_espaço

As vezes

As vezes as estrelas falam
em versos de poesia faminta
que devoram a minha razão
e, em um impulso me calam...

As vezes a poesia planta estrelas
nos olhos de um poeta triste
e nele, colhe esperança
de um mundo que ainda resiste...

E, as vezes,
somente as vezes,
um poeta escuta as estrelas
beija o papel lacrimado
e impulsivamente declama
os mais intensos versos
que ainda não escreveu

E, talvez não escreva,
tamanha emoção que lhe toma,
trêmulas mão que resistem,
e as lágrimas obstruem seus olhos

e a emoção transpassa-lhe a garganta,
em fagulhas coloridas e mágicas
poesia repleta de amor,
nos seus últimos suspiros poéticos,
que a morte do ego lhe trouxe!

As vezes, a poesia cala,
o papel fica molhado,
e o poeta apaixonado,
transpira, e sua poesia exala!

Mando Mago Poeta 18:58 12/1/2010