sábado, 6 de fevereiro de 2010

Mistério vindo do mar…

sereia5

Deixei a areia no caminho,
meus rastros de minutos atrás
onde ficou você, de costas para mim,
de frente para o mar...

Deixei pegadas de areia molhada
com a água salgada de meus olhos,
que você não me viu derramar.

O Por do Sol, inevitável e lindo,
via-lhe escorrendo pelo horizonte,
laranja-avermelhado, de encontro ao mar,
onde dilui-se brilhante.

e parti, alheio a minha vontade,
antes mesmo de chegar.
Parti, partido em mil pedaços,
tentando entender por que.

Via-lhe de longe, negro perfil
imerso no laranja brilhante!
Relutei, pressenti seu mergulho inevitável,
nas espumas reluzentes e agitadas...

E lambeu-lhe os pés, o mar,
chacoalhou-lhe as emoções silenciosas,
e quando a vi novamente, metade silhueta,
negra silhueta ao encontro do Sol,

E foi-se junto a ele, sem medo,
deixando-me a lua como companheira,
a única e verdadeira testemunha,
de que partimos em rumos diferentes,
mas nunca lhe pedi...

que deixasse de ser "sereia".

Mando Mago Poeta 16:29 6/2/2010