sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

declino ao desatino

Imagem(556) 

Sem asas para voar
alcei vôo ao infinito
no espaço, lancei um grito
sem ninguém para escutar

Sem planos de pouso tranquilo
voltei em chamas caindo
no solo de minha amada

Sim. Voltei pequeno como esquilo
triste, me esvaindo
divina comédia gravada

Fugi, como antes tentara
despi-me das tantas amarras
voei ao céu infinito
para morrer na órbita

do planeta silêncio!

Calado, aturdido…

Mando Mago Poeta 00:23 12/2/2010