quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Noite Paulistana


É noite, agora posso ver a lua.
É noite de lua cheia,
choveu forte hoje, inundou a rua,
entupiu sua veia!

É lua brilhante e desiludida,
iluminando feito holofote,
os buracos na avenida.
não que alguém se importe...

é noite barulhenta,
com motos sem escapamento,
drogados, que ninguém afugenta,
rindo da viatura e do sargento!

É noite de luz em São Paulo, mas não é de vela.
Luz de balões incendiários,
queimando telhados na favela!
-agora são menos, os pobres universitários...

É noite que se vai formosa!
iluminando "as quebradas" escuras,
onde os traficantes, tem "arma corajosa"!
-cospe tanto fogo, quanto um dragão das escrituras...

É noite! noite... noite.
é noite no meu peito revolto,
e quando acordo no outro dia...
ainda é noite, tudo continua igual!

Mando Mago Poeta 22:42 15/12/2010