domingo, 23 de janeiro de 2011

ABC DO POETA – E - F

Enchente no olhar

Hoje há em mim
Um "chora e não molha"
Uma lágrima seca
Que me invade o olhar...

Hoje há um intenso pesar!
Onde havia um jardim humano
diversos montes ruíram
e soterraram as esperanças em flor...

Agora só há lágrimas secas,
na enchente daquele lugar!

Mando Mago Poeta 21:53 19/1/2011

………………………………………………………………………….

Estar com você

Em sua presença eu sou completo,
chego a misturar-me ao seu ser,
e nesse mistura eu me sinto repleto
de tudo que existe em você...

Mando Mago Poeta 23:57 13/1/2011

………………………………………………………………………….

Estrela cadente

Eu tentei ser só estrela,
e fica no céu te olhando,
mas aos poucos, fui apagando
de tanto viver na solidão...

Tentei criar no vácuo do espaço,
um vento mágico que me derrubaria,
e em queda livre eu teria
um facho de luz e chamas...

Seria eu, estrela cadente,
caindo em seu mundo à revelia,
com o corpo ardente
em seus braços, feliz, morreria!

Mando Mago Poeta 22:43 4/1/2011

………………………………………………………………………….

Fragmentos

………………………………………………………………………….

Apenas fragmentos...

Você tem o hábito de me seduzir,
mesmo quando não faz nenhum esforço!

Mando Mago Poeta 12:35 9/1/2011

Há uma longa distância entre nós,
Um tecido que teima em cobrir seu corpo...

Mando Mago Poeta 12:36 9/1/2011

Há apenas uma certeza em meu olhar,
só o que sei, é te amar...

Mando Mago Poeta 12:37 9/1/2011

A cada sonho,
uma nova jornada,
uma viagem,
um passeio
em seu corpo
cheio de desejo,
que não me deixa acordar!

Mando Mago Poeta 12:40 9/1/2011

É fácil para você
pedir que eu vá embora,
somente eu amei tanto
a ponto de te deixar livre!
Você nem ao menos tentou
pedir para eu ficar...

Mando Mago Poeta 12:41 9/1/2011

………………………………………………………………………….

Homenagens

………………………………………………………………………….

Rita encinas

Todas as rosas no céu
sorrindo, brancas feito nuvens,
todas as estrelas dos seus olhos,
brilhando feito fagulhas no céu,
são azuis celestes em dois globos,
são céus esverdeados em meu mundo...

todas as incógnitas sorridentes,
são mistérios teus que me fascinam,
em cada riso contagiante,
em cada poema de sensibilidade sutil...

todas as rimas em versos,
são só palavras sem sentido,
quando sua boca recita
ao chamar meu nome!

És o poema mais belo que já foi escrito,
em uma melodia sem igual...
és o poema que meu coração sentia,
e nunca conseguiu escrever!

Mando Mago Poeta 18:40 2/1/2011

………………………………………………………………………….

(A Você, Jane Rossi, meu carinho especial)

Primeiro poema

O primeiro poema é como o nascer de uma flor,
é quando o poeta nasce para a vida,
e descobre o amor...

A poeta já nasce flor
com os poemas no sangue
circulando seu corpo
como a seiva do mais puro amor...

Você já nasceu poeta
e tem nas veias o amor...
Esse amor puro e verdadeiro
que a vida lhe doou.

Mando Mago Poeta 17:26 19/1/2011

………………………………………………………………………….

Marta Peres

Dissolve o coração no papel,
a tinta funde-se no céu...
É a mão que desenha habilmente o coração,
em consistência e emoção...

Não há símbolos complexos,
há uma luz de inteligência emocional,
um grau impressionante de luz espiritual...
Pois,
Quando uma alma é gigante,
no sopro de luz de um instante,
Rege a orquestra da poesia
com divina maestria!

seu poema é de alegria,
urge o tempo, em sintonia...
Seu amor lhe brota na mão,
é branco o tema, o lema, a alma e o coração!

Mando Mago Poeta  13:38 8/1/2011

………………………………………………………………………….

Regina Xavier

Que vestes são essas, Regina!
Que trazem tantas lembranças.
Parecem versos de menina
Poema de amor e esperanças...

Vestida de letras, sorria,
frases, estrofes...Refrão.
Vestido que rima alegria,
Poema que rima paixão.

Veste-se de pura poesia,
de corpo, alma e emoção,
és corpo-poema, magia...

Poeta menina, mulher!
Têm tantas cores o seu poema,
cores que o arco-íris quer.

Mando Mago Poeta  13:38 16/12/2010

………………………………………………………………………….

são impulsos involuntários, versos imaginários de um ser só...
são águas passadas, sentimentos represados... que não se pode cessar...
nessa cascata de sutilezas, de sonhos, delicadezas... as rosas vão brotar.

quando não penso, escrevo!

………………………………………………………………………….