sábado, 14 de janeiro de 2012

amantes_thumb[1]

Abismo

Largastes minhas mãos
e segui caindo no abismo
sem asas para voar

Meu amor rompeu o silêncio da noite
e ecoou no cair incessante e solitário!

As nuvens, copiosamente choraram
e vestígios do Sol queimavam o horizonte
alaranjado e febril...

O vento sussurrou meu nome por um instante
tentando fazer-me acordar
Cético, desprendi os pés e deixei-me cair!

Inexato
calculei em frações de segundos
todas as dores da vida
como se fossem de muitos mundos...

Sorvi as gotas da morte
e nuvens ainda choravam no céu!
E choravam meus olhos secos
e os sertões brotaram flores
as flores abriram em mim
e em cada pétala branca
o gosto de fel...

E acordei atônito!
Nem havia pisado o tapete
e suas mãos seguraram meus ombros
em mais um chamado de amor!

"Foi um pesadelo que passou...!"

Mando Mago Poeta 22:11 1/1/2012